Compras pela internet disparam com crise do coronavírus.

Comercio Eletrônico

O avanço do coronavírus no Brasil fez com que a compra pela internet disparasse nas últimas semanas no Brasil. Segundo dados do Compre e Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, a alta das vendas totais foi de 40% nos primeiros 15 dias de março. Um relatório produzido pela empresa, em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mostra que houve um aumento significativo no consumo das categorias de “saúde” (111%), “supermercados” (80%) e “beleza e perfumaria” (83%) no primeiro bimestre de 2020, se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Em contrapartida, segmentos como “câmeras e filmadoras” e “games” tiveram quedas drásticas, de -62% e -37%, respectivamente. “A tendência é que o cenário continue dessa forma, com consumidores mais engajados nas compras à distância e movimentando o consumo de categorias relacionadas às necessidades básicas do dia a dia e de prevenção da covid-19”, afirmou André Dias, diretor executivo do Compre&Confie e coordenador do Comitê de Métricas da camara-e.net, principal entidade multissetorial da América Latina. Para Mauricio Salvador, presidente da ABComm, as empresas precisam buscar presença digital. “É possível começar a vender online de forma rápida e simples, sem a necessidade de investimentos massivos. As empresas que não levaram seu modelo de negócios para a internet estão em desvantagem, correndo riscos de sobrevivência”, declarou. Segundo ranking do E-commerce Brasil, produzido em parceria com a consultoria Netrica, os maiores sites de compras pela internet no Brasil são Mercado Livre, Americanas, Amazon, Magazine Luiza e Casas Bahia.

Este conteúdo é de autoria da UOL, reservamos todos os direitos autorais para os reais produtores deste conteúdo.

Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/23/compras-pela-internet-disparam-com-crise-do-coronavirus.htm